Connect with us

Hoje

Ministro da Saúde libera R$ 2 milhões para vítimas da tragédia em Janaúba

Publicado

em

Ministro da Saúde libera R$ 2 milhões para vítimas da tragédia em Janaúba

Ministro da Saúde libera R$ 2 milhões para vítimas da tragédia em Janaúba

Ministro da Saúde, Ricardo barros visita hospitais em Janaúba e Montes Claros Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, visitou hoje (12) os hospitais de Janaúba e Montes Claros, em Minas Gerais. As unidades de saúde prestam assistência às vítimas da tragédia na creche Gente Inocente, localizada na cidade de Janaúba. Há uma semana, um incêndio levou a morte de 11 pessoas, das quais nove crianças, uma professora e o segurança da instituição, responsável por atear fogo no local.

Segundo Barros, o município de Janaúba receberá R$ 1 milhão para reembolso de gastos da prefeitura com a tragédia. O Hospital Pronto Socorro João XXIII, unidade referência no tratamento de queimados em Belo Horizonte, que atende feridos no incêndio, receberá R$ 2 milhões. A Santa Casa de Montes Claros, que também recebe vítimas da tragédia, receberá o mesmo valor para compra de equipamentos, medicamentos e outros insumos usados no tratamento a queimados. Durante a visita, o ministro se reuniu com autoridades locais para definir as condições do repasse de recursos.

Nesta terça (10), o governo federal anunciou o repasse de R$ 8,7 milhões para ações de apoio à tragédia ocorrida na creche em Janaúba. Ao todo, serão R$ 3,7 milhões destinados à construção de duas creches e conclusão de uma quadra esportiva, além dos R$ 5 milhões destinados à área de saúde.

Da Agência Brasil

Continue lendo
Publicidade
Comments

Hoje

Rodízio emergencial deixa áreas de Brasília sem água por 48 horas

Publicado

em

Por

Rodízio emergencial deixa áreas de Brasília sem água por 48 horas

Um rodízio emergencial neste final de semana deixa áreas do Distrito Federal sem abastecimento de água por dois dias, de acordo com nota divulgada hoje (22) pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). A empresa está enfrentando dificuldades para abastecer a população de Brazlândia, cidade satélite que fica a 36 quilômetros (km) do centro de Brasília.

De acordo com a nota, no principal córrego de abastecimento da região, o Barrocão, que também é utilizado para irrigação de agricultura, a Caesb sofreu redução de 30 litros por segundo (l/s) na captação de água, que estava em torno de 70 l/s para cerca de 40 l/s.

“Com essa vazão, a Caesb não consegue acionar nenhuma das duas bombas, que são utilizadas para garantir o abastecimento da região”, diz o texto. A outorga concedida pela Adasa para a Caesb captar e abastecer toda a cidade de Brazlândia é de 104 l/s.

Devido à situação, a Caesb começou a fazer um rodízio emergencial em algumas áreas, suspendendo o abastecimento de algumas ao meio-dia de sexta-feira (20), com previsão de retorno hoje à noite. Outras áreas foram fechadas às 18h de ontem (21), com previsão de retorno amanhã (23) à noite.

“A Caesb alerta para a necessidade de se continuar a exercer um consumo consciente e adequado da água de forma a manter e ajudar na melhoria do sistema como um todo”, ressalta a companhia.

Rodízio prolongado

Devido à falta de chuvas no DF, na sexta-feira (20) a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) autorizou a ampliação do racionamento no Distrito Federal das atuais 24 horas de suspensão de abastecimento para 48 horas.

A Caesb afirma que a medida não será aplicada imediatamente e que a população será notificada com antecedência. Apesar da Caesb tentar ao máximo adiar o início desse sistema de rodízio, há a possibilidade de que a suspensão de abastecimento de dois dias seja estendida a todo o DF.

A suspensão desse final de semana ainda não faz parte do plano de 48 horas que ainda será encaminhado para a aprovação da Adasa amanhã.

Veja as áreas suspensas em Brazlândia:

– Vila São José 35 a 58, Setor Veredas 03 a 06, Setor Norte Quadras 02 e 12, Áreas Especiais e Setor de Oficinas. Nestas áreas, o abastecimento foi fechado ao meio dia de sexta-feira. Previsão de abertura para a noite de hoje, com estabilização ao longo da noite.

– Setor Sul: Quadras 01, 02 e 04; AE 01; Setor Norte Quadras 01, 03, 04, 06, 07, 08 e 10; entrequadras 02/04 e 06/08;

– Bairro Veredas: quadras 01, 02, 03 (conjs. A, B, C, D) e 04 (conjs. A, B, C, D, E e L);

– Setor Tradicional: Qds 01 a 29; AEs 01 a 07.

– Setor de Oficinas

Nestas áreas, o abastecimento foi suspenso às 18h do dia de ontem (21), com previsão de retorno para a noite de amanhã (23). A estabilização da rede ocorrerá ao longo da noite.

 

Mariana Toakarnia – Repórter da Agência Brasil

Continue lendo

Hoje

Anatel debate TAC da Oi em reunião extraordinária na segunda-feira

Publicado

em

Por

Anatel debate TAC da Oi em reunião extraordinária na segunda-feira

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai se reunir na segunda-feira (23) para deliberar a respeito dos termos de Ajustamento de Conduta (TACs) da emresa de telefonia Oi. Em processo de recuperação judicial, a Oi acumula dívidas de R$ 64 bilhões em bônus, dívidas bancárias e responsabilidades operacionais. A reunião extraordinária será fechada, com caráter sigiloso.

Uma eventual renegociação dos termos firmados nos TACs junto à Anatel poderia abrir caminho para a aprovação do plano de recuperação judicial. Na próxima segunda, a agência vai analisar processos referentes ao montante de R$ 4,8 bilhões. O valor é maior do que o do primeiro TAC da empresa, de R$ 1,2 bilhão, cuja tramitação foi suspensa pelo Tribunal de Contas da União (TCU), justamente pelo fato de a Oi estar em recuperação judicial.

A Anatel e a Oi travam uma batalha judicial em torno das dívidas da empresa junto à agência reguladora. O centro da disputa é a inserção do valor das multas, conseguido na Justiça pela Oi, no endividamento total da companhia. O montante é estimado em mais de R$ 11 bilhões.

A agência, por meio da Procuradoria-Geral Federal, órgão da Advocacia-Geral da União (AGU), contestou a decisão do Tribunal de Justiça do Rio, que a incluiu na Assembleia Geral de Credores da Oi, submetendo créditos das multas ao plano de recuperação judicial da tele, com o argumento de que a inclusão representa risco à ordem e à economia pública.

A Anatel chegou a encaminhar, no início do mês, um pedido para que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) analise a retirada de seus créditos com a Oi do processo de recuperação judicial. “Conforme destacado, a Anatel é credora de aproximadamente R$ 11 bilhões e está enquadrada, no Plano de Recuperação Judicial apresentado, na Classe III de credores (credores quirografários), a qual abrange aproximadamente R$ 60 bilhões de créditos.

Isso significa que, se os seus créditos se submeterem à Assembleia Geral de Credores, a Oi sequer conseguirá impedir a aprovação do Plano pela Classe de Credores na qual foi enquadrada, haja vista que o voto nessa classe considera o montante dos créditos e os demais credores detêm aproximadamente R$ 48 bilhões”, disse o pedido encaminhado ao STJ.

A corte, entretanto, negou o pedido no dia 3. Na decisão, a ministra Laurita Vaz, presidente do STJ, disse que a Anatel errou o tipo de pedido protocolado. A magistrada, disse que foi descabido o uso do instrumento da via suspensiva para conseguir a tutela negada antes pela Justiça do Rio. Portanto, o ato impugnado – inclusão da Anatel como credora quirografária – não constitui cautela judicial, mas ato administrativo”, argumentou a magistrada.

A Anatel informou que vai recorrer. Nessa quarta-feira (18), a Anatel nomeou Carlos Baigorri para representar a agência na Assembleia Geral de Credores. Caso tenha que votar na assembleia, Baigorri já foi orientado a votar contra o novo plano de recuperação.

Plano

Em relação às dívidas com a Anatel, a Oi propõe a negociação da dívida por meio de dois caminhos: negociação de acordos (TACs) para conversão de multas em investimentos e parcelamento em até 20 anos, com correção pelo IPCA, com entrada de 20%, deduzido de depósitos judiciais.

Além disso, o plano de recuperação judicial, que altera as condições para a negociação com credores prevê uma capitalização de R$ 9 bilhões. Desse total, parte viria da conversão de dívidas em participação acionária, cerca de R$ 3,6 bilhões; R$ 3,5 bilhões em dinheiro aportado por bondholders (detentores de títulos) e R$ 2,5 bilhões vindos dos acionistas.

A Oi trabalha para conseguir um consenso entre acionista, bondholders e credores para que a proposta possa ser colocada em votação durante a assembleia. “Com a capitalização, o patamar de investimento anual da companhia passará de R$ 5 bilhões ao ano para aproximadamente R$ 7 bilhões ao ano, pelos próximos três anos”. “O adicional de investimento a ser feito anualmente será destinado a projetos de expansão de fibra ótica, aumento da cobertura 4G, projetos de digitalização e TI”, disse a empresa ao protocolar o plano na Justiça.

Além disso, a Oi disse que vai negociar com os bondholders, que reúnem montante superior a R$ 22 bilhões de créditos da Oi. “A companhia já assinou acordos de confidencialidade com representantes destes grupos e iniciou discussões para buscar aprovação do plano de recuperação da Oi”, disse a tele.

Mas a notícia desagradou um grupo formado por credores e detentores de papeis da Oi que soltou nota rejeitando o plano de recuperação. Na nota, divulgada na sexta-feira (13), o grupo disse que o plano visa proteger os atuais acionistas.

“[O plano] parece ter como objetivo somente proteger e aumentar os interesses dos atuais acionistas, em detrimento do melhor interesse da Companhia e demais partes interessadas”, diz a nota assinada pelos dois maiores grupos de credores da Oi, o Oi Creditors Groups e o grupo representado pela FTI Consulting que, juntos, têm a receber cerca de U$ 6,4 bilhões, cerca de R$ 22 bilhões.

Segundo os credores, o plano de recuperação apresentado pela Diretoria e Conselho de Administração da Oi “ignora preocupações fundamentais dos credores, ameaçando a viabilidade da companhia no longo prazo e enriquecendo abusivamente os atuais acionistas”.

Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil

Continue lendo

Hoje

Menino vítima de ataque em escola de Goiânia recebe alta

Publicado

em

Por

Menino vítima de ataque em escola de Goiânia recebe alta

O estudante de 13 anos que estava internado após ser baleado por um colega de classe no Colegío Goyazes, em Goiânia, recebeu alta na manhã deste domingo (22). O boletim médico foi divulgado por volta das 9h pelo Hospital de Urgências da cidade, onde outras duas vítimas seguem internadas.

Até ontem, uma das meninas estava em estado grave, com os dois pulmões perfurados e respirando com ajuda de aparelhos. A pedido das famílias, as informações sobre o estado de saúde dela e de outra menina ferida não serão mais divulgadas pelo hospital. Uma quarta vítima se recupera bem no Hospital de Acidentados. Ela sofreu um tiro no punho.

Na manhã de sexta-feira (20), um adolescente de 14 anos, filho de um policial militar, abriu fogo contra colegas em sala de aula matando dois e deixando quatro jovens feridos, um deles em estado gravíssimo. De acordo com as investigações, ele agiu motivado por bullying e disse ter se inspirado nos casos de Columbine, nos Estados Unidos, e Realengo, no Rio de Janeiro, em que atiradores também abriram fogo dentro de escolas.

O adolescente autor do ataque teve a internação provisória por 45 dias determinada pela Justiça na noite de ontem. Apesar da juíza Maria Moreno Senhorelo, que estava de plantão, ter determinado que o jovem fosse encaminhado imediatamente para o Centro de Internação Provisória de Goiânia, o destino dele é incerto devido à falta de um local onde possa permanecer isolado.

Samanta do Carmo – Repórter do Radiojornalismo

Continue lendo

Mais lidos